Saturday, August 15, 2009

Shakesperare in da háuse!

Bem, podia ser uma bela ocasião para escarafunchar os “sordid details” da vidinha do senhor. O que não deixa de ser uma excelente ideia, porém!
Bem, parece que o senhor até era atinado, e levou umas valentes calinadas na vida, nomeadamente o seu belo teatro ter ardido até aos fundilhos mas, bem vistas as coisas, nessa noite, ardeu metade de Londres, pelo que a tasca do Alberto Maneta também ardeu até aos fundilhos derivado de tanta chouriça gordurenta, e o Shaky (era como os dreads da rua lhe chamavam… as coisas que eu sei!) até achou que foi uma noite lixada, sim senhores, mas que teve aspectos positivos, que o Alberto Maneta não tinha mãos mas andava a tentar fazer festinhas gordurosas nos seus belos cabelos, e o Shaky já se começava a enervar um bocado com aquilo!
Voltando ao que aqui nos trouxe hoje!
A parte mais atinadinha e filosófica do senhor. Vá, vão lá buscar os lenços de papel. Ou as Pringles, pronto, que isto é longo, mais parece “O Senhor doas Anéis” com os extras todos!


“Depois de algum tempo, aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendes que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.
E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.

E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de algum tempo, aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam…



E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso. Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais.



Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas segundos para destruí-la, e que poderás fazer coisas das quais te arrependerás para o resto da vida.


Aprendes que as verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que tens na vida, mas quem tens na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.


Aprendes que não temos de mudar de amigos se compreendermos que os amigos mudam, percebes que o teu melhor amigo e tu podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.



Descobres que as pessoas com quem tu mais te importas são tiradas da tua vida muito depressa, por isso devemos sempre despedir-nos das pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos.


Aprendes que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começas a aprender que não te deves comparar com os outros, mas com o melhor que podes ser. Descobres que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que se quer ser, e que o tempo é curto.



Aprendes que, ou controlas os teus actos, ou eles te controlarão, e que ser flexível nem sempre significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, existem sempre os dois lados.


Aprendes que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer enfrentando as consequências. Aprendes que paciência requer muita prática. Descobres que algumas vezes a pessoa que esperas que te empurre, quando cais, é uma das poucas que te ajuda a levantar.



Aprendes que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que tiveste e o que aprendeste com elas, do que com quantos aniversários já comemoraste. Aprendes que há mais dos teus pais em ti do que supunhas.



Aprendes que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são disparates, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.


Aprendes que quando estás com raiva tens o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel. Descobres que só porque alguém não te ama da forma que desejas, não significa que esse alguém não te ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.



Aprendes que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes tens de aprender a perdoar-te a ti mesmo. Aprendes que com a mesma severidade com que julgas, poderás ser em algum momento condenado.



Aprendes que não importa em quantos pedaços o teu coração foi partido, o mundo não pára para que tu o consertes.



Aprendes que o tempo não é algo que possa voltar atrás.



Portanto, planta o teu jardim e decora a tua alma, ao invés de esperares que alguém te traga flores.
E aprendes que realmente podes suportar mais… que és realmente forte, e que podes ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.
E que realmente a vida tem valor e que tu tens valor diante da vida!
As nossas dádivas são traidoras e fazem-nos perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar.”



4 comments:

Mokas said...

bem.. vou só dizer que gostei das fotos.
Não sei se o texto é ou não do gajo pq ja o recebi em diversos mails a acusar autores diferentes.
Mas enfim, tem algumas (muitas) coisas para fazer pensar e recordar.
é bom é bom

marta said...

A parte do Alberto Maneta é minha.

LostSoul said...

Esse texto é maravilhos e unico!!! Cada vez que o leio sinto-me melhor e mais forte!!!

Angel said...

Este texto não podia estar mais certo...gosto muito de Shakespeare..muito á frente para a sua altura..beijinhos cheios de Sonhos...