Monday, July 06, 2009

“Segunda – feira à noite, 6 de Julho:

Sofres, minha criatura amantíssima(…). Sofres. Onde eu estou estás comigo e eu falo comigo e contigo! Isto possibilita-me viver perto de ti. Que vida! Assim! Sem ti! (…) Por muito que me ames, eu amo-te com mais força. (…) Deus, tão próximos e tão afastados! Será que o nosso amor não é uma verdadeira criação do céu, mas também tão sólido como uma abóbada do mesmo céu?


Bom dia! 7 de Julho:

Mesmo deitado, os meus pensamentos vão para ti, minha amada imortal, às vezes serenos, depois novamente tristes, à espera de saber se o destino nos ouve. Não posso viver além de ti ou absolutamente sem ti.

Sim, decidi ir caminhando por aí até poder voar até aos teus braços e considerar-me completamente teu. Então, abraçado a ti, elevarei a minha alma até ao reino dos espíritos bem-aventurados (…).

Ama-me! Hoje, ontem, quantas lágrimas, quanto desejo de ti, de ti, de ti! Minha vida, meu tudo! Adeus! Continua a amar-me e nunca te esqueças do coração fiel do teu amado.

L.

Eternamente teu, eternamente minha, eternamente um do outro."




2 comments:

India said...

Onde foste desencantar tais versos profundos?
Respira fundo e mergulha na Vida!
Há tanto e muito mais para Ser e Viver! Acredita em ti! Na tua força!
Como diria uma sister que conheço...
Pontapé!

marta said...

Pontapé!!!

Há séculos que não ouvia essa!!!

(PS, estas coisitas do B. só podiam ter vindo dos lados da Z., mas sim, foi nessa altura!)

(PS2, estou mesmo à beira da estação dos combóios, ainda lá vou passar para ver quanto custa o bilhete para a montanha, e quantos dias são necessário para lá chegar. Vou em breve!)

beijocas para a famelga!