Wednesday, August 09, 2006

O dia em que tentei ver se sabia subornar... não sei...

Friends Série 5 em DVD

Ora bem, meus meninos (e menina)!
O mundo anda à roda. Há séculos que isto acontece e que este mistério é estudado pelos mais ilustres e doutos pensadores.
Houve evolução no estudo das estrelas, da Zoologia, da Botânica, da Ciência, da Genética, da relações dos homens, …
Isto, para manifestar a minha opinião que, também no prodigioso mundo dos subornos e das facadas nas costas, há ascenso.
Ora o que é que eu pretendo dizer com isto? (pergunta retórica)
Quero dizer que há certas ocasiões que dependem dos caprichosos desígnios da via láctea caleidoscópica a que chamamos Destino, outras que estão na mão da caridosa boa vontade das pessoas, outras ainda da sua crueza.
Afinal, sem sentimentos, os Homens não passam de larvas invertebradas despojadas de desígnios, e de cérebro.
De uma forma generalizada, o ser humano acha-se digno de certas benesses, nomeadamente uma catita caixinha com a 5ª Série dos Friends em DVD!!
Quando isto não resulta, passamos ao Plano B: a técnica do suborno!
Indubitavelmente mais eficaz.


Assim, encontra-se disponível e reservado em exclusivo só para vos:

. Um pacote de variados e divertidos instrumentos de tortura, para uso próprio ou para emprestar aos amigos, que inclui, passo a citar:

- uma caixa com cd’s da belíssima cantora/actriz/sabe-se lá mais o quê sul-americana Thalia (conseguida de forma ilícita, é óbvio), e o dedo grande do pé direito dela.
- 10 caixas de supositórios Dolviram, para flagelarem quem quiserem, da maneira que melhor lhes convir.
- uma manada de bisontes, todos cuidadosamente energizados com raiz de ginseng de contrabando do mais alto nível, para atropelar brutalmente qualquer membro do governo que escolham – repetidas vezes!!
- um kit “Tubarão 2050”, para afugentar aqueles melgas que insistem em perguntar “Olha, posso conhecer-te?”
- uma original moca de Rio Maior com ponta de aço, conseguida nos recônditos da internacional feira de Sábado de manhã nas Galinheiras, para qualquer ocasião em que lhes seja necessário ir a uma repartição das finanças, ou para o Continente do Colombo em dia de fim do mês, época de Natal e jogo na Luz.

E ainda!!

(aqui, é favor imaginar o cenário revisitado e absurdamente colorido do concurso “123”, com um Carlos Cruz de óculos iguais aos da minha avó nos anos 70, com um horrível fatinho cinzento prisional (hum!!) que mais ninguém vestiria e, regra geral, mais baixo que toda a gente na assistência, acompanhado por uma Raquel Cruz (perdão, Rocheta) com um enjoativo porém brilhante vestido de lantejoulas, e a música da orquestra com a Bota Botilde aos pulos lá ao fundo depois de uns shots de absinto e vodka com um bocadinho de açúcar e meia rodela de limão).

. uma tarte de amêndoa da minha mãe para cada um – isto sim, vai dar trabalho a conseguir!
. o escalpe do Manuel Serrão – pode dar para limpar o vidro do carro, por dentro... ou não... ou não...
. uma caixa com as 4 cassetes VHS do Titanic (a versão extensa e prolongada), uma magnífica espingarda de pressão de ar e uma dúzia de caixas de chumbinhos para arrebentar com elas à maluca.

E a oferta especial da minha gata, que é muito útil para limpar o pó debaixo da cama, depois de se lhe despejar uma quantidade razoável de Pronto no pêlo. Fica maluca!!
E já vão com sorte!

2 comments:

Joao Malainho said...

Olá Marta. Antes de mais muito obrigado pela tu visita. No meu blog não há censura, simplesmente tenho de ler todos os comentários via e-mail antes de estes serem publicados. O único motivo que me levou a isso foi a invasão de comentários "SPAM". Como já deves ter reparado tive todo o prazer em publicar todos os comentários que fizeste - Torreense inluído - com todo o respeito. Beijinhos...

Marta said...

Bem, eu gosto de espalhar o meu ácido por vários blogs, nomeadamente o meu próprio...
De qualquer forma, faz-me uma certa urticária ver blogs com parcos comments (eu obrigo os meus amigos a ver o meu - ameaço, suborno, digo que lhes pus veneno na sopa e essas coisas - de reparar que todos eles parecem ter o tico e o teco algo desorientados...), pelo que gosto de deixar algumas palavras para picar (= incentivar outros, nas palavras da D. Amélia, minha avó, "desavergonhados"). Ela é saloia raça pura. Como eu.